domingo, 13 de julho de 2014

Para Ti

O meu ser torna-se matéria incandescente
Às tuas palavras.

O calor que transportas dos teus lábios para os meus;
E o pouco que aguento sentir-te assim -
Mudo de estado e derreto
Metal fundido da paixão que és em mim.

A saudade na distância que o tempo leva;
Ou a epopeia das semanas por passar -
E a cada carinho que transmites
Sentir mais vontade de te amar.

Qual este fogo de metal e de gente
A alquimia pura de um sentimento diferente -
Ter sido chumbo pesado a vida toda

E ao unir das tuas mãos às minhas
O rearranjo de protões na alma...

Ou a forma de não ter como acabar este escrito.
Como quem diz - nem tudo está dito.

Sem comentários:

Enviar um comentário